Publicado por: bsbcesar | 22/04/2015

Curso Estado Vibracional em Porto Alegre

Curso Estado Vibracional Porto Alegre

Anúncios

Folder Curso Estado Vibracional

Para saber mais:

Livro Estado Vibracional

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

Publicado por: bsbcesar | 05/12/2014

Pesquisa sobre Experiências Fora do Corpo

Pesquisa Experiências Fora do Corpo

Olá

Convido você que já teve pelo menos uma Experiência Fora do Corpo lúcida (viagem astral, projeção astral, projeção da consciência), para participar de uma pesquisa online que tem por objetivo esclarecer vários aspectos dessas experiências que hoje são objeto de discussões, justamente devido a ausência de levantamentos. O questionário de pesquisa traz questões como, por exemplo, para levantar quais são as técnicas projetivas mais eficientes e quais são os resultados práticos dos cursos sobre projeção da consciência.
A cada 100 questionários respondidos, um relatório será enviado para as pessoas que assim desejarem. Posteriormente, quando houver um certo número de questionários respondidos, será dada ampla divulgação dos resultados dessa pesquisa.

O questionário de pesquisa está disponibilizado no link abaixo. Nos próximos dias, estarão disponíveis versões em inglês e espanhol para que a pesquisa seja divulgada em toda Internet.

Obrigado e, por favor, participe! Ajude a produzir e disseminar essas informações!

Cesar de Souza Machado

Link para a Pesquisa: http://www.metaconsciencia.com/pesquisa.html

Livro Estado Vibracional

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

Publicado por: bsbcesar | 27/11/2014

Lançado o Primeiro Livro sobre o Estado Vibracional

Livro Estado Vibracional

Após 4 anos de trabalho, conclui e meu segundo livro, chamado “Estado Vibracional”.

Esse é o primeiro livro no mundo a ser escrito sobre o estado vibracional.

Resumidamente, são 226 páginas, 12 capítulos, 29 figuras, a descrição de 45 casos de uso do EV e 3 índices.

O livro custa 36 reais, mas, até o dia 30 desse mês, a editora está oferecendo um desconto e o preço fica em 30 reais.

O livro trás uma síntese de tudo o que já foi publicado sobre o EV. Mas, além disso, o que trás de novo?

Bem, vejamos:

  • A descrição de todas as formas de instalação do EV conhecidas até o momento;
  • Taxonomias sobre o EV; acoplamentos energéticos, autencapsulamento energético, etc;
  • Uma contribuição a Teoria Quântica do EV;
  • A história do EV;
  • A técnica do EV basal; a técnica do EV por vibrações físicas; a técnica do autencapsulamento energético (apenas citada em outras obras publicadas por outros autores);
  • Dois novos instrumentos conscienciométricos para autoavaliação do domínio do EV;
  • Os resultados da Primeira Pesquisa Online sobre o Estado Vibracional.

Nesse LINK você pode ler as 21 primeiras páginas e, se desejar, comprar um exemplar. Uma versão eletrônica, digital, será publicada no primeiro semestre de 2015.

Espero de gostem do livro!

 

Publicado por: bsbcesar | 16/06/2014

Fronteirastral agora é Fronteira da Consciência!

FA16062014

Olá a todos

Quando criei meu primeiro blog em 2011, voltado para as EFCVs – Experiências Fora do Corpo, desejava usar um nome diferente, chamativo. Escolhi o título de um livro sobre esse assunto que, há vários anos, estava a venda – Astral Frontier, cuja tradução é Fronteira Astral.

Desde então, alguns se passaram e algumas mudanças ocorreram em minha vida. Publiquei meu primeiro livro, Experiências Fora do Corpo – Fundamentos, onde abordo o tema de forma não mística. Após a publicação deste livro, algumas pessoas amigas sugeriram que o termo “Astral” empregado em o blog remetia ao esotérismo ou místicismo.

Assim, na iminência de lançar meu segundo livro, que, como o primeiro, fará uma abordagem racional das bioenergias e parapsiquismo, achei por bem alterar a designação deste blog para Fronteira da Consciência.

Todo o conteúdo, posts e comentários, foi transferido para esse novo espaço. Por algum tempo, Fronteirastral ainda poderá ser acessado. A partir de agora, todos os novos posts e outros conteúdos estarão disponíveis somente aqui.

Um abraço a todos

Cesar de Souza Machado

Acesse: Fronteira da Consciência

Projearium - Campus IAC - Evoramonte, Portugal

Projetarium – Campus IAC – Evoramonte, Portugal

Publicado originalmente em 03 de janeiro de 2012 por Lázaro Freire.

“Você como psicanalista, o que acha do assunto ‘projeção astral’? Uma vez vi uma entrevista onde o entrevistado dizia que qualquer pessoa pode fazer esta tal da ‘projeção astral’ com um pouco de esforço, mas dizem que é apenas um delírio da mente..”

Esta questão pode ser abordada por diversos lados, e cada paradigma exigirá uma resposta diferente. Abordarei essa questão do fenômeno íntimo – religioso ou paranormal – pela via da análise, da patologia da filosofia. Vejamos o que elas têm em comum.

1) Você me pergunta COMO PSICANALISTA….

Bem, não cabe a um (bom) psicanalista fazer inferências sobre a experiência de quem a relata. Não somos juízes epistemológicos da “concretude” do processo psíquico alheio, mas sim intérpretes fenomenológicos da natureza simbólica das experiências que constituem o INCONSCIENTE de nosso cliente/paciente/partilhante. Posso tratar de clientes protestantes, espíritas ou católicos do mesmo modo, independentemente da causa parapsicológica que atribuam às suas manifestações internas. O que estará em análise são os símbolos, o arquetípico, o metapsicológico, ou seja, como esta experiência (qualquer que seja) repercute inconscientemente no psiquismo do cliente. Dizer se é sombra, diabo ou obsessor não nos diz respeito, mas todos os três parecem tem uma estrutura em comum. Se a voz do insight foi fruto de Deus, do Mentor, do Santo ou do Self também não é de meu juízo, quero antes entender o que de bom a voz trouxe, e como podemos implementar este insight INCONSCIENTE na vida consciente do sujeito.

Assim, analiso as projeções do mesmo modo que analiso fatos da vigília, pensamentos ou mesmo sonhos. Há pacientes que me relatam estupros paternos que, creio, aparentemente não existiram, a julgar por outros dados que elas mesmos me passam. Mas não sou ginecologista ou viajante no tempo. Embora EU, Lázaro, tenha elementos para crer que a descrição é fantasiosa, o fato psíquico é que a paciente reagiu há décadas a um estupro, criou defesas relativas a isso, e precisa ser analisada como tal.  Talvez tenha sido mesmo estuprada, talvez não. Mas dentro de si, foi. As imagens mentais que ela traz da experiência, concreta PARA ELA, falam muito de seu próprio psiquismo. Vale até para a maneira com a qual um paciente conta a semana que passou. Ele conta por seu filtro, com seu vocabulário, ou seja, o OBJETO INTERNO associado ao que existiu “fora” de si. O analista trabalha com isso. Se vale até para a “realidade”, vale mais ainda para a projeção.

Nas palavras de Jung, somos psicoterapeutas, investigadores do INCONSCIENTE (a manifestação daquilo que não conhecemos) na psique do sujeito. Quanto às explicações, algumas devemos deixar para a teologia, para a filosofia ou para a parapsicologia. Não é de nossa alçada ou método.

O psicanalista precisa ser saudavelmente cético, no sentido pirrônico, de não emitir juízos sobre os relatos. Mas entendo que adotar uma postura de descrença prévia – como muitos fazem – não leve em conta o que o próprio conceito de INCONSCIENTE implica.

Portanto, o psicanalista / psicólogo consciente, a meu ver, não só PODE lidar com essas questões fenomenologicamente, como também DEVE. Ele é ou deveria ser o recurso adequado para que o que não conhecemos sobre nós (inconsciente) tenha uma possibilidade de manejo SEM depender de ciência ou religião. Se rotulamos previamente o paciente com nossas crenças religiosas – ou com nossas descrenças “científicas” – fechamos a ele a terceira via, que seria nosso papel. E, pior, fazemos mal um papel que a ciência ou a religião é que deveriam ocupar.

2) Você falou em DELÍRIO. Dizem que é. Dizem quem? O senso-comum? Qual autor, em que trabalho, com que fundamentação?  

Bem, em todo caso, precisamos conceituar. Delírios são ideias tomadas como realidade, sem correspondência no mundo real, mas que geram alterações de posicionamento no mundo real, com certo prejuizo cognitivo, social ou funcional. São primos das alucinações, só que estas envolvem (falsas) percepções sensoriais, e o delírio é apenas mental. Se uma pessoa tem ciúme saudável de uma situação real visível (um bonitão dando em cima de minha namorada numa festa), isso é emoção, sobrevivência da espécie e prole, é natural. Mas se o ciumento cria situações imaginárias de perigos idem, mesmo à distância ou sem motivos, e inferniza sua própria vida e a do “amado(a)” a partir de suas criações mentais, temos um DELÍRIO. A situação não existiu, mas o imaginado fez com que o doente modificasse sua relação com o mundo – para pior – a partir do que “viu” ou “imaginou”. Isso é psicótico.

Ora, não me parece ser o caso de uma projeção astral ou fenomenologia espiritual saudável, vindo de pessoa idem. O projetor sabe que a experiência se deu durante seu sono, em contexto limitado, e não sai andando feito sonâmbulo a partir dela. Seria delírio se, a partir de dados passados em uma (suposta) projeção, o “projetor” acordasse querendo se separar da mulher, ou sair voando pela janela no mundo físico, ou abrisse mão “do ego e da matéria” (como certos discursos religiosos equivocados fazem), ou impondo “verdades astrais” para os demais (como certos gurus e professores fazem). Aí teríamos uma realidade interna mental deixada de ser tomada para si, para em lugar disso ser imposta para o outro. Delírio, psicose.

Portanto, um não pode dizer que a experiência do outro é delírio APENAS porque não a compartilhou. O “cientista” que faz isso… delira! (impõe a SUA realidade mental para o outro). O critério científico e psiquiátrico precisa ser melhor que isso: Normalidade, Salubridade, Naturalidade, Funcionalidade. Vale o mesmo para a mediunidade, religiosidade, etc. Como o dito projetor ou médium funciona no mundo? Tem outros traços de anormalidade, de prejuízo psíquico funcional? Tem emprego regular? Relações afetivas estáveis? Formação escolar compatível com sua capacidade? Amigos? Relações de igualdade com os demais? Comportamento sexual e afetivo adulto? Lida bem com o dinheiro, com os limites, com os desejos e vontades dos outros? Ou vive em um mundo fantasioso? Sua experiência espiritual alegada se deu em contexto apropriado? Ora, se alguém para de trabalhar ou deixa de atender a um compromisso para ter uma projeção ou receber um espírito, se deixa um local de lazer em que estava feliz devido a supostas “más influências espirituais”, ou se isso se confunde com a realidade em qualquer modo, temos uma situação delirante ou alucinatória, ESPECIALMENTE se imposta aos demais. Vale para o maluco, vale para o guru. Outra coisa bem diferente é uma pessoa ter sua vida normal, e dedicar um momento e um lugar para uma atividade espiritual. Transes assim não podem ser considerados psicóticos (ao contrário, quem acusa incorre em desrespeito constitucional). Do mesmo modo, projeções saudáveis de pessoas idem que são pessoais e circunscritas ao ambiente de fora da vigília não afetam em nada sua Normalidade (há religiões em todas épocas e culturas, é “normal”), sua Salubridade (não faz mal, não é patologia), sua Naturalidade (ocorre com muitos, sempre, é da natureza) ou funcionalidade.

3) O que garante que este mundo à sua frente não seja um “delírio da mente”? Se estudar a história da filosofia, ou mesmo a religião oriental, verá que esta resposta não é tão simples quanto parece.

Entretanto, temos um acesso FENOMENOLÓGICO ao que chamamos de “realidade”. Me parece que há um MacBook Pro à minha frente. Eu lido com esses “objetos” à medida em que se apresentam à minha consciência, mesmo que eu nunca possa vir a saber o que tudo isso que me cerca sensorialmente seja – se é que “são”.

Nesse sentido, os estados alterados de consciência (projeção aí incluída) são percepções fenomenológicas DE QUEM AS TEM, e não de quem as julga. Um projetor AFIRMA QUE experimentou determinada realidade, de modo tão real quanto acredito que este MacBook esteja à minha frente. Então isso é uma realidade fenomenológica DELE, válida só para ele. O que chamamos de projeções, via de regra, não são sonhos. São caracterizadas por um estado de lucidez e consciência bem superior ao da vigília.  Se eu desconfiar de algumas de minhas projeções (e desconfio), preciso desconfiar também da realidade do mundo que me cerca (e desconfio). Mas de algum modo preciso viver com os fenômenos que experimentou, e nesse sentido, há vida nesta realidade, assim como há na projeção. Não é o OUTRO, que não teve, que pode dizer se quem teve de fato teve, ou não.

Mas, concordo que muitas pessoas fantasiam que certas experiências mais parecidas com sonhos teriam sido “projeções”, “realidades astrais”. Isso talvez porque seja difícil lidar com a atitude que nossos processos inconscientes – sonhos inclusive – nos pedem. Melhor dizer que foi tudo uma “visita astral”, que além de reforçar o nosso ego, ainda dá o caso por encerrado. Por isso creio que as considerações psíquicas não podem ser desconsideradas do fenômeno espiritual, ao contrário. Cada camada transcendente exige forte fundamentação no patamar anterior. Transcender é incluir. A vida transcende o físico porque o contém. Sem físico, moléculas, átomos, não há vida. A mente transcende a biologia porque a contém. Sem células, não há mente. Com cérebro físico defeituoso, teremos problemas nos processos mentais. As camadas superiores INCLUEM as demais. E portanto, sem mente e psiquismo, não teremos as camadas ditas astrais e espirituais, como as acessamos aqui. Portanto, é IMPOSSÍVEL uma boa fundamentação espiritual SEM uma boa fundamentação psíquica, biológica e física. Mentes sãs em corpos sãos, diziam os antigos gregos. E espíritos sãos em psiquismos sãos.

Portanto, concluindo, fenômenos dessa natureza são, no mínimo, inconscientes, e devem estar no campo de interesse de um analista – e, porque não, de um neurocientista. E para se rotular algo de “delírio”, é preciso de um pouco mais de consistência e conhecimento, se não da experiência subjetiva e inacessível experimentada PELO OUTRO, pelo menos do que a própria palavra “delírio” significa e implica, e dos conceitos mínimos de epistemologia, fenomenologia e psicopatologia aplicadas à questão.

Lázaro Freire

Psicanalista Transpessoal

http://voadores.com.br/clinica

Para Saber Mais

 Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

Experiências Fora do Corpo: O Guia do Iniciante

www.fronteiradaconsciencia.com

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por: bsbcesar | 02/06/2014

Pesquisa Sobre o Estado Vibracional

EV01062014

Pesquisa sobre o EV

Estou realizando uma pesquisa exploratória que tem por objetivo obter informações estatísticas sobre o perfil dos praticantes da técnica do Estado Vibracional – EV, assim como os principais aspectos sobre como a técnica é realizada, quais são as sensações e efeitos que provoca.

Qualquer pessoa que seja praticante da técnica do EV pode responder o questionário.

Que tal você participar?

São apenas 14 questões cujo preenchimento demanda menos de 5 minutos.

Os respondentes poderão receber o resultado da pesquisa em agosto de 2014

CLIQUE AQUI para acessar o questionário.

Cesar Machado

Publicado por: bsbcesar | 20/05/2014

Projeção da Consciência e Mobilização de Energia

FAYYYY1

 

Esse post foi escrito em função de uma pergunta dividida em três partes que me foi encaminhada.

Segundo a abordagem conscienciológica, a produção da projeção lúcida da consciência é mais eficaz quanto mais se pratica a mobilização básica das energias (captação, circulação fechada para promover o EV e exteriorização de energias). Segundo esta abordagem, a explicação para esse fato é que quando se mexe bastante com as bioenergias, o energossoma fica mais solto, facilitando, assim, uma experiência extracorpórea.

A explicação é bastante lógica. Todavia, vários autores, de outras abordagens, esotéricas e espíritas, dão pouca relevância à mobilização básica das energias para se alcançar uma experiência lúcida fora do corpo.

Se todos nós, mesmo que de forma inconsciente, saímos do corpo quando dormimos, há de se supor que a “natureza” trabalha automaticamente nossas energias do energossoma. Como, pois, explicar as experiências, com lucidez, das pessoas que nunca fizeram trabalhos energéticos? Até que ponto o fenômeno da projeção da consciência está ligado com as mobilizações energéticas?

A projeção consciente pode ser causada por inúmeros fatores. Mobilizar energia é um desses inúmeros fatores que predispõem a projeção. Então, se você mobiliza energias antes de dormir, as probabilidades de se projetar são maiores. Quanto mais energia você mobilizar e quanto mais tempo durar essa mobilização, maior será essa probabilidade de produzir-se uma projeção consciente. A pessoa pode descobrir que certo tipo de mobilização ou  que a ativação de certo(s) ponto(s) energético(s) de seu holossoma pode mais eficientemente para produzir uma EFC lúcida.

A mobilização ou ativação que uma pessoa faz e que a leva a ter uma EFC lúcida pode ser pouco eficiente com outras pessoas pois a diversidade do ser humano estende-se a esse campo também, das mobilizações energéticas X resultados produzidos.

Quanto ao fato de muitos autores ignorarem essa questão, tanto no passado quanto no presente, isto se deve-se ao pouco ou nenhum conhecimento que tem das Bioenergias e das ECs – Energias Conscienciais.

Para Saber Mais

Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

Experiências Fora do Corpo: O Guia do Iniciante

www.fronteiradaconsciencia.com

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

 

Publicado por: bsbcesar | 11/05/2014

Pesquisadores Descobrem como Induzir Sonhos Lúcidos

sleep study

 

O sonho lúcido é um estado diferenciado de consciência, um tipo de sonho diferente onde o sonhador torna-se lúcido, consciente de que está sonhando.

A ocorrência desse tipo de sonho foi registrada há alguns séculos, mas, somente em 1913 o termo sonho lúcido foi cunhando por Frederick Van Eeeden. Ainda assim, durante muito tempo, o meio científico tratava o assunto co desdem, chegando em alguns casos a negar que tal tipo de sonho fosse possível.

Em anos recentes, graças a evolução da tecnologia que vem criando instrumentação capaz de perscrutar em detalhes o sistema nervoso, particularmente o cérebro, novas descobertas vem sendo realizadas.

Ursula Voss, da JW Goethe- University, em Frankfurt , na Alemanha é uma dessas pesquisadoras que vem produzindo interessantes trabalhos nessa área. Suas recentes pesquisas, empregando a mais moderna instrumentação disponível, demonstraram que os sonhos lúcidos ocorriam durante a produção de ondas gama (de alta frequênca) pelo cérebro.

Voss e seus colegas pesquisadores passaram então a se perguntar: Se ondas gama ocorrem naturalmente durante o sonho lúcido, o que aconteceria se eles induzissem uma corrente elétrcia com a mesma freqüência das ondas gama nos cérebros das pessoas enquanto elas estivessem dormindo?

Hoje, 11 de maio, a Nature Neuroscience, via agência Reuters, divulgou a mais recente descoberta de Voss.

Decididos a responder a questão sobre a indução de ondas gama, Voss e colegas resolveram realizar esse experimento. Através de eletrodos inseridos no couro cabeludo, empregando em uma técnica chamada tACS – transcranial Alternating Current Stimulation (em língua portuguesa estimulação transcraniana com corrente alternada ), 27 voluntários foram testados em laboratório, sendo que nenhum deles tinha experimentado sonhos lúcidos anteriormente.

Os pesquisadores esperaram até que os voluntários estivessem experimentando o sono REM ininterrupto antes de aplicar a estimulação elétrica nas as posições frontais e temporais do couro cabeludo dos voluntários. Como resultado, relataram que, durante a estimulação, eles estavam cientes de que estavam sonhando. Os voluntários também foram capazes de controlar o enredo de seus sonhos. Eles também sentiam como se estivessem sonhando em terceira pessoa, atuando apenas como observadores dos eventos oníricos.

O estímulo aplicado tinha uma variedade de frequências entre 2 e 100Hz , sem que os experimentadores ou voluntários fossem informados que qual frequência estava sendo usada, ou mesmo se uma corrente foi de fato aplicada. Cinco a 10 segundos mais tarde, os voluntários foram despertados de seu sono e foi pedido que relatassem seus sonhos. A atividade cerebral foi monitorada continuamente durante todo o experimento .

Os resultados mostraram que a estimulação de 40 Hz resultou num aumento da atividade do cérebro em torno da mesma frequência em áreas frontais e temporais. Um efeito semelhante , mas menor foi observado a 25 Hz . Eles também descobriram que tal estímulo, muitas vezes , mas não sempre, induziu um aumento do nível de lucidez nos sonhos dos voluntários. Em frequências mais altas ou mais baixas, ou quando nenhuma corrente foi aplicada , nenhuma mudança na atividade cerebral foi observada.

Os pesquisadores,  não acreditam que essa descoberta venha a criar um mercado para máquinas indutoras de sonhos lúcidos, que alias, já existem, mas que, segundo ela ” não funcionam bem “. Além disso, a técnica que ela empregou exige a monitoração um médico.

Atualmente, uma das vertentes da pesquisa sobre sonhos lúcidos está em descobrir possíveis utilidades para esse estado diferenciado de consciência. Os pesquisadores são cautelosos sobre como interpretar os resultados como de relevância direta para o tratamento de doenças médicas. Especulam que um dos possíveis benefícios que podem ser explorados é seu emprego para ajudar pessoas que sofrem de transtorno de estresse pós -traumático que muitas vezes levam-nas a ter sonhos terríveis em que revivem a experiência traumática. Se eles puderem sonhar lucidamente, poderão ser capazes de levar esses sonhos a um resultado diferente, como, por exemplo, usar uma rua diferente daquela onde uma bomba explodiria ou entrar em um restaurante antes de ser atacado por um assaltante. Com isso eles poderiam reduzir o impacto emocional, ajudando em sua recuperação.

Para Saber Mais

 Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

Experiências Fora do Corpo: O Guia do Iniciante

www.fronteiradaconsciencia.com

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

 

 

Publicado por: bsbcesar | 11/05/2014

O Clássico Experimento Projetivo com Miss Z

OBE-study

 

O clássico experimento com Miss Z que comprovou a veracidade do fenômeno da EFC – Experiência Fora do Corpo, foi realizado pelo pesquisador Dr. Charles Tart , quando era um professor emérito de psicologia na Universidade da Califórnia .

Miss Z era uma voluntária que alegadamente, possuiria a capacidade de projetar-se para fora do corpo com lucidez.

No estudo, realizado na década de 1960 e publicado pelo Jornal da Sociedade Americana de Pesquisas Psíquicas – ASPR, Tart descreve  o experimento.

O local do experimento consistia em um quarto com nada além de uma cama, uma estante, um relógio, e uma janela de observação onde o Dr. Tart observava a partir de um outro quarto. Ao corpo de Miss Z ficavam conectados vários aparelhos elétricos com a finalidade de detectar a atividade de ondas cerebrais (veja na figura acima), batimentos do coração e resistência galvânica da pele.

Durante o experimento Miss Z foi capaz de deixar seu corpo físico e ler corretamente um número de 5 dígitos  (25.132) escrito em uma tira de papel que estava em uma prateleira da estante no canto da sala. O número estava a uma distância significativa e a uma altura bem acima da cama, de modo que ela não seria capaz de ler o número, mesmo se ficasse de pé.

As chances de Miss Z ter adivinhado o número de 5 dígitos na primeira tentativa são menos de 1 em 59000.

Os instrumentos indicaram uma alteração significativa nas leituras durante o tempo em que ela deixou seu corpo.

Os estudos de Tart o levaram a relacionar a ocorrência da EFC com a conjunção de um conjunto de condições que incluem:

  • A ausência de sono REM (Rapid Eyes Moviment – Movimento Rápido dos Olhos”);
  • A ausência de sonhos;
  • A produção de ondas Alfa lentas pelo cérebro;
  • A não ativação do sistema nervoso autônomo;
  • A normalidade dos batimentos cardíacos;
  • Sem mudanças na atividade resistiva da pele;

Uma descrição detalhada do experimento está disponível nesse link.

 

Para Saber Mais

Experiências Fora do Corpo – Fundamentos

Experiências Fora do Corpo: O Guia do Iniciante

www.fronteiradaconsciencia.com

www.metaconsciencia.com

www.estadovibracional.com

Livros:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

 

 

Older Posts »

Categorias